Teolatria

No Teolatria você encontra diversos estudos bíblicos em slides (power point) para baixar, além de muitas pregações, sermões expositivos, textuais, temáticos em mp3, dos pregadores da IMVC - Vilhena/RO: Pr. Cleilson, Pb. João, Pb. Alex, Pb. Wesllen Ferreira, Dc. George Michael, irmã Clair Ivete e pregadores convidados. Para ouvir os sermões em alta qualidade, peça seu cd por e-mail especificando seus dados para recebimento e qual mensagem você deseja adquirir: prcleilson@hotmail.com

sábado, 13 de abril de 2013

VOCÊ CONHECE AS QUATRO TÊMPERAS?


Por: Mário Gardini

“Todos nós herdamos um temperamento dos nossos pais. Ele é a combinação de características congênitas que consciente ou inconscientemente, afetam nosso procedimento. Estas características do temperamento podem e devem ser controladas, mas também podem durar algum tempo ou até uma vida inteira. Tudo depende da intensidade de como lidamos com o nosso temperamento”.

O certo é que podemos ter os quatro temperamentos, contudo um deles vai prevalecer em nosso procedimento.

Sanguíneo, fleumático, melancólico e colérico, eis os quatro temperamentos na classificação do médico grego Hipócrates, na sua forma de entender o organismo humano e a personalidade.

Vou tentar ilustrar a reação de cada temperamento, caso tenhamos que enfrentar um perigo.

Por exemplo, num incêndio: está pegando fogo numa casa. Chega o sanguíneo e começa a gritar: “Fogo! Vamos fazer alguma coisa para apagar o fogo e salvar pessoas”.

E lá vai o sanguíneo com toda a sua energia e fôlego para ajudar. Porém, quando vê as labaredas e o perigo real, desiste. Diríamos que todo o alarde e ímpeto no sanguíneo era “fogo de palha”, motivado apenas pela emoção e não pela razão.

O fleumático vê o incêndio e diz: “Gente, alguém já fez alguma coisa? Chamaram o corpo de bombeiros? É preciso resolver a situação, alguém pode morrer”. E o fleumático permanece ali, inerte, preocupado, mas sem ação. Espera que os outros façam algo.

O melancólico corre pressurosamente e invade a casa para tentar salvar pessoas. Sua atitude é de pouca conversa, mas está pronto para o sacrifício de si mesmo. Ao contrário do sanguíneo e do fleumático, vai fazer todo o esforço para ajudar e, enfrenta o perigo.

Já o colérico tem semelhanças com o temperamento do melancólico. Também não é de muita conversa e age, não pela emoção, mas analisa e planeja. Persegue seus alvos e na nossa ilustração, vai se envolver com o problema e fazer a sua parte na solução.

Cada temperamento tem qualidades e defeitos – o sanguíneo é muito comunicativo mas
, às vezes, age sem pensar e cria problemas.

O fleumático raramente explode em raiva e é muito equilibrado, mas é indiferente e não age quando necessário.

O melancólico é analítico e abnegado. Seu defeito é ser perfeccionista. Enclausura-se e pode ser extremamente hostil.

O colérico é prático e voluntarioso, mas não tem paciência e nem compaixão.

A nossa “têmpera” precisa ser controlada. Podemos realizar muitas coisas boas e ao mesmo tempo ficamos surpresos com o nosso descontrole.

A “têmpera” humana, se não for trabalhada pela graça de Deus, sempre estará fora de controle e do centro do equilíbrio.

O fruto do Espírito de Deus é gerado em nós pela graça para controlar o nosso temperamento neste mundo. Diz a Palavra indestrutível: "Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei" (Gálatas 5:22-23).

Mário Gardini é
advogado, jurista e
escritor. Colabora
com artigos no Teolatria.

Um comentário:

  1. De um temperamento colérico, o Espírito de Deus tem trabalhado em minha vida para um caráter semelhante ao de Cristo (ainda tá longe, mas de glória em glória...).

    ResponderExcluir