Teolatria

No Teolatria você encontra diversos estudos bíblicos em slides (power point) para baixar, além de muitas pregações, sermões expositivos, textuais, temáticos em mp3, dos pregadores da IMVC - Vilhena/RO: Pr. Cleilson, Pb. João, Pb. Alex, Pb. Wesllen Ferreira, Dc. George Michael, irmã Clair Ivete e pregadores convidados. Para ouvir os sermões em alta qualidade, peça seu cd por e-mail especificando seus dados para recebimento e qual mensagem você deseja adquirir: prcleilson@hotmail.com

sexta-feira, 19 de abril de 2013

NÃO MEXAM NO MEU QUEIJO!


Por: Mário Gardini

Dr. Spencer Johnson, escreveu no estilo de parábola, o livro “QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?”.

Em resumo, “a parábola mostra que a vida não é necessariamente um caminho livre de obstáculos, mas, sim, um caminho repleto de sobressaltos e adversidades. A diferença é a maneira com que cada ser humano lida com tais adversidades”.

O livro acima referenciado revela uma série de lições. Contudo, quero pontuar três coisas, em rápidas palavras, sobre a metáfora ou parábola narrada pelo Dr. Spencer.

A pergunta: “QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?” aponta a nossa PREOCUPAÇÃO COM O NOSSO “QUEIJO”. O nosso alvo é um lugar “repleto de queijo”, ou seja, posições, cargos, proeminência, bens materiais, poder, saúde, prosperidade, etc. Todos nós, pressurosos, corremos para os mesmos objetivos descritos acima. Concorda?

QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO também desnuda a NOSSA VERDADEIRA CONDIÇÃO HUMANA e nossos esforços incontidos para alcançar os objetivos pretendidos.

A nossa criatividade e habilidade para sair dos labirintos da vida são apanágios ou capacidade, dada por Deus, a cada um de nós, mostrando ainda as nossas diferenças no trato com os problemas e crises na existência e a maneira como decidimos enfrentá-los.

Outro destaque que faço na parábola do Dr. Spencer é o caminho do autogoverno que assumimos. Fazemos planos, queremos conquistas e fixamos os nossos objetivos voltados para a nossa própria vida, satisfação e felicidade.

O problema não é o queijo acabar ou estar se desgastando, percebidos em alguns momentos de nossa existência. O “busílis” ou “x” da questão é o que fazemos com a nossa vida em relação ao PLANO ETERNO.

Certo, você encontra o queijo e sua habilidade o leva a sair dos labirintos e acha novos caminhos com as soluções, mas e o PLANO ETERNO, onde se encaixa em tudo isso?

O Senhor afirmou: 
“Pois, QUE APROVEITARIA AO HOMEM GANHAR TODO O MUNDO E PERDER A SUA ALMA? (Marcos 8:36).

Na parábola do Dr. Spencer ainda enxergo que lutamos com o “nosso queijo” e nos preocupamos com os “labirintos” para encontrarmos o nosso sucesso pessoal.

Nessa trilha, eu digo a você: “Não mexa no meu queijo. A minha vida e a minha felicidade é encontrar e obter o meu ‘queijo’ e não me importo com o seu ‘queijo’, pois sou egoísta e desejo o ‘queijo’ só para mim. Por isso fico triste e me decepciono quando não vejo o ‘queijo’, tão almejado por mim, tal como Hem e Haw”.

Mas qual é a vantagem se o queijo for abundante, não se esgotar nesta vida, ou se meus alvos forem alcançados, se eu perder a vida, ao final?

Disse Jesus: 
“Qualquer que procurar salvar a sua vida, perdê-la-á, e qualquer que a perder, salvá-la-á” (Lucas 17:33).

Acho que na parábola do Dr. Spencer, cada um queria ganhar e levar vantagem.

É o esforço humano para preservar a própria vida, tentando resolver os “labirintos da existência”, sem a posse de um PLANO ETERNO, pois esquecemos que neste PLANO ETERNO encontramos, em definitivo, o nosso “queijo” e a nossa “morada” eterna.

O melhor desse Plano é não encontrar nele “labirintos” ou caminhos que tenhamos que descobrir com a nossa criatividade, e sim, uma Graça (presente) que ao contrário de “QUEM COMEU O MEU QUEIJO?”, aponta um caminho, ao rés do chão, simples e singelo, trilhado unicamente pela fé no Senhor Jesus Cristo.

Mário Gardini

Um comentário:

  1. Nosso queijo está aqui neste plano da vida. Muitos nos incentivam a brigar por ele. Mas Jesus nos mostra que há no infinito a maior das riquezas aguardando aqueles que compartilharam e dividiram seu queijo neste mundo.

    ResponderExcluir