Teolatria

No Teolatria você encontra diversos estudos bíblicos em slides (power point) para baixar, além de muitas pregações, sermões expositivos, textuais, temáticos em mp3, dos pregadores da IMVC - Vilhena/RO: Pr. Cleilson, Pb. João, Pb. Alex, Pb. Wesllen Ferreira, Dc. George Michael, irmã Clair Ivete e pregadores convidados. Para ouvir os sermões em alta qualidade, peça seu cd por e-mail especificando seus dados para recebimento e qual mensagem você deseja adquirir: prcleilson@hotmail.com

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

A TRILHA DA AMARGURA


Parece que a amargura é o último passo de uma trilha que começou na ira. Ao nos irarmos contra alguém, a Bíblia nos recomenda que não pequemos (Ef 4.26,27). Isto porque, de acordo com o apóstolo Paulo, pecamos quando agimos com base em nossa ira e isso nos faz dar lugar ao diabo. Ao contrário, não devemos permitir que o "sol se ponha" sobre a nossa ira, que sem metáforas, quer dizer que não devemos permitir que o dia termine sem que tenhamos resolvido o problema com quem nos causou a ira.

Entretanto, não é exatamente o que acontece. Somos levados pela nossa suposta honra ao erro de pensar que, ou aquela pessoa venha a nós arrependida e suplicando nosso perdão e não será perdoada sem antes ouvir umas poucas e boas, ou então, para salvaguardar a minha reputação, não a perdoarei. Bem, isso estou falando na melhor das hipóteses, porque alguns chegam a executar a vingança, quando guardam sua ira.

Aí está marcada a trilha da amargura. A ira, quando debaixo de vários pores-do-sol, redunda em mágoa. É a ferida não tratada. E a mágoa guardada torna-se amargura.

A dor de uma decepção, provocação, traição e outras quedas emocionais geralmente ocorrem numa forma de surpresa. Por confiarmos em alguém, de certo modo nos esquecemos de que esse alguém é humano e, por isso pode errar, inclusive errar conosco. Assim como também o inverso é verdadeiro: nós podemos errar com ele. Mas a confiança emocional nos faz desconsiderar este fator e é até justificável, pois, de certa forma, confiança que desconfia não é confiança. Então, quando sofremos o que não esperávamos, o resultado é a dor, é a inflamação de um coração que foi pego de surpresa. Tá na hora de passar o remédio!

O perdão é o remédio. Não vai parar de doer quando perdoamos, nem vai cicatrizar na mesma hora em que decidimos liberar perdão. Assim como uma ferida no corpo causada por um arranhão, mesmo sendo tratada imediatamente não se cicatriza na hora e nem para de doer, assim também o perdão não retira de imediato a dor de um coração decepcionado. Leva tempo.

É comum ouvirmos os feridos de alma dizerem que só vão perdoar depois que a dor da mágoa passar. Isto é trilhar para a amargura. O perdão é o remédio que se passa no coração ferido, a fim de que ele não se inflame. Assim como passamos remédio na ferida do corpo várias vezes até que ela sare, assim também devemos confirmar e reconfirmar nosso perdão ao próximo quando formos feridos no nosso emocional, até que vejamos nosso íntimo sendo cicatrizado.

Dependendo da profundidade da ferida haverá marcas mesmo depois de sarado. Isso quer dizer que mesmo liberando perdão você não esquecerá o que aconteceu. Até se lembrará, mas sem dor. Essa é uma das vantagens do perdão. Ao contrário de quem preserva a mágoa e trilha para a amargura. Faz de tudo para não se lembrar do que lhe magoou e cada vez que se lembra, aquilo sempre volta a doer! Não teve remédio.

Em resumo, ira não resolvida leva à mágoa; mágoa guardada leva à amargura. Uma pessoa que sempre se permitiu ser ferida pelas decepções e não passa o remédio do perdão está fadada a viver uma vida depressiva cheia de amargura, rancor, ódio e desesperança.

Se você quer saber se está trilhando o caminho da amargura é fácil. Lembre-se do que lhe feriu e veja se dói. Se sim, então, dependendo do tempo, você não perdoou. O significado da palavra perdoar é "doar para". Outro sentido é "deixar ir livremente". Libere quem te machucou para caminhar livre através do perdão e você verá que até você também seguirá em liberdade. Saia da trilha da amargura!

Dia tes písteos.

Pr. Cleilson

2 comentários:

  1. Um dia um Pastor disse algo e eu nunca mais esqueci "perdão é decisão e não sentimento", quando entendi isso passei a sair desta trilha com mais facilidade, pelo fato de agir não mais com base nos meus sentimentos e sim na decisão de perdoar, pois, também erro com as pessoas e preciso ser perdoada.Boa postagem Pr. Cleilson.

    ResponderExcluir
  2. Persebi que a imagem usada para ilustrar o caminho da amargura me parece ser bem liso, muito facil de CAIR, e assim ficar pelo caminho...
    Parabéns, muito boa mensagem Pr. Cleilson.

    Armando.

    ResponderExcluir