Teolatria

No Teolatria você encontra diversos estudos bíblicos em slides (power point) para baixar, além de muitas pregações, sermões expositivos, textuais, temáticos em mp3, dos pregadores da IMVC - Vilhena/RO: Pr. Cleilson, Pb. João, Pb. Alex, Pb. Wesllen Ferreira, Dc. George Michael, irmã Clair Ivete e pregadores convidados. Para ouvir os sermões em alta qualidade, peça seu cd por e-mail especificando seus dados para recebimento e qual mensagem você deseja adquirir: prcleilson@hotmail.com

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

COMENTÁRIO EXPOSITIVO - EFÉSIOS 6.4 PARTE A

Meus queridos irmãos, por alguma falha, não houve a gravação em áudio da nossa pregação de Ef 6.4a, que diz: "E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira".

Então, vou disponibilizar o meu comentário acerca desta parte do versículo. Talvez em outra oportunidade, eu venha pregá-la novamente e então possibilite a gravação. Segue abaixo meu comentário exegético.

1. “E os pais, não irriteis os filhos vossos...” (6.4). Assim está no texto grego.

a) O cristianismo é realmente impressionante. Ele não deixa por menos quando o assunto é ordenar e instruir aos que também são autoridade. Não é porque os pais são autoridade sobre seus filhos que eles também não tenham algo a aprender. Isso mostra que somente Deus é autoridade absoluta. Todos os que foram investidos de autoridade, o foram sob delegação divina e, por isso são obrigados a exercê-la de modo coerente e adequado aos ditames de Quem a delegou. Vejamos então, pais cheios do Espírito Santo.

b) Primeira coisa que deveríamos entender sobre este versículo (que na nossa tradução para o português não nos permite diferenciar), é que a palavra “pais” aqui não é a mesma usada no v. 1. Ali é usada a palavra generalizada para pais, isto é, pai e mãe; aqui, todavia, a palavra se refere aos homens, à paternidade, embora seja óbvio que as mães não estão livres para atormentar seus filhos na irritação. A questão é mais profunda do que essa – se tem alguém liberado para atormentar os filhos, isso é naturalmente lógico que nenhum cristão deveria viver irritando quem quer que seja, quanto menos seus próprios filhos. Mas onde o apóstolo quer chegar é que, ao contrário do que se pensa, são os pais, homens que receberam a tarefa de alimentar, nutrir seus filhos e instruí-los na advertência do Senhor. Embora as mães também estejam (e devem estar) engajadas nisso junto com seu marido, todavia, o mandamento aqui é primordialmente para a paternidade.

c) Não irritar os filhos, quer dizer que não devem levantar a sua ira, não devem provocá-los. Há certamente inúmeras maneiras de provocar-se a ira dos filhos. E como o texto fala de disciplina, é exatamente nesse quesito onde se levantam as mais diversas formas de colocarmos nossos filhos irados contra nós. Neste ponto iremos falar primeiro do mandamento negativo “não provoqueis vossos filhos à ira” , para depois falarmos do mandamento positivo “mas criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”.

· Uma das maneiras de irritar os filhos com relação à disciplina errada é quando os pais são eles mesmos indisciplinados. Você não pode corrigir seu filho quando estiver irado, pois estamos tratando aqui de crentes cheios do Espírito, lembrem-se disso, e uma das características do fruto do Espírito é o domínio próprio. Corrigir os filhos na ira, com certeza os levará à chateação e ao desânimo, pois uma disciplina aplicada sob o combustível da ira é totalmente injusta.

· Outra maneira de irritar os filhos na disciplina é quando os pais tentam corrigi-los apenas para humilhá-los. Não devemos humilhar ninguém, especialmente nossos filhos.

· Ainda outra coisa que irrita os filhos é quando os pais não querem saber de nenhuma explicação da parte deles na hora de corrigir. Os pais precisam ouvir seus filhos. Obviamente, se houver mentira na sua defesa, eles deverão ser corrigidos pela mentira e também pelo que já iam ser corrigidos. Mas deixar de ouvir a defesa do seu filho é certamente uma maneira de levá-lo à irritação.

Ainda quero citar outra forma de provocar os filhos à ira, que é sem dúvida o não perceber seu desenvolvimento. Há pais que tratam seus filhos já adultos como se fossem crianças. E falando nesse aspecto de disciplina, há pais que tentam corrigir seus filhos já jovens na punição com vara. Isso é tolice, pois a vara na Bíblia é destinada à criança, não ao jovem. Se você não puniu seu filho com a vara quando cedo, depois de certo período será tarde demais, só lhe restando orar por ele, aconselhá-lo, tentar ganhar sua confiança para que ele seja corrigido acreditando em você.


Dia tes písteos.

Pr. Cleilson

2 comentários:

  1. Amém! Muito bom o texto para reflexão. Ontem mesmo precisei sentar com minha filha (15 anos) para explica-la sobre uma conduta explosiva que ela tivera na noite anterior. Nas diferentes fases da vida de nossos filhos é primordial que cresçamos com eles, principalmente, espiritualmente. O pai precisa ser reflexo de Cristo para sua família e, principalmente, para os filhos. Pai que parou de orar, ler as escrituras ou jejuar, é um pai que certamente errará na educação, pois está longe do manancial de água viva que flui para a vida eterna.
    Que o Senhor tenha misericórdia de nós pais e nos dê sabedoria e constante renovar do entendimento para que possamos representar bem o seu Reino.
    Forte abraço meu pastor! :)
    Aislan

    ResponderExcluir
  2. A paz, irmão e amigo! Certamente essa é uma idade vulnerável para nossos filhos, mas que com a graça de Deus o Senhor tem lhe ajudado a conduzir de maneira sábia e confiante. Parabéns à sua filha que é obediente e submissa aos pais! Que essa família seja sempre um resultado abençoado de uma vida santificada! Abração!

    ResponderExcluir