Teolatria

No Teolatria você encontra diversos estudos bíblicos em slides (power point) para baixar, além de muitas pregações, sermões expositivos, textuais, temáticos em mp3, dos pregadores da IMVC - Vilhena/RO: Pr. Cleilson, Pb. João, Pb. Alex, Pb. Wesllen Ferreira, Dc. George Michael, irmã Clair Ivete e pregadores convidados. Para ouvir os sermões em alta qualidade, peça seu cd por e-mail especificando seus dados para recebimento e qual mensagem você deseja adquirir: prcleilson@hotmail.com

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

DEUS ESTÁ MORTO - UMA ANÁLISE DA FRASE DE NIETZSCHE NO MEIO EVANGÉLICO HOJE


Por: Aislan Vilalba

“Deus está morto! Deus permanece morto! E quem o matou fomos nós! Como haveremos de nos consolar, nós os algozes dos algozes? O que o mundo possuiu, até agora, de mais sagrado e mais poderoso sucumbiu exangue aos golpes das nossas lâminas. Quem nos limpará desse sangue? Qual a água que nos lavará? Que solenidades de desagravo, que jogos sagrados haveremos de inventar? A grandiosidade deste ato não será demasiada para nós? Não teremos de nos tornar nossos próprios deuses, para parecermos apenas dignos dele? Nunca existiu ato mais grandioso, e, quem quer que nasça depois de nós, passará a fazer parte, mercê deste ato, de uma história superior a toda a história até hoje!” (Nietzsche).

Nietzsche, através de seu personagem Zaratustra, expressou uma das maiores verdades presente na vida humana, a saber, Deus está morto. Mas o que ele estava querendo dizer com isso? Ele teria matado o Ser metafísico Deus? Estaria somente expressando “seu” ateísmo? A resposta é que ele estava se referindo às pessoas de sua época, pois no cerne da cultura estava o viver sem Deus. A noção cristã já não existia e racionalmente não era mais aceita pela sociedade. A ciência, a política e demais rumos sem prumos, nortearam o deixar para trás Deus, tornando-O como algo do passado.

Deus já havia ocupado o centro das culturas, porém, não mais. Nietzsche apenas constatou algo que visivelmente era discernido. Se ele fosse cristão e congregasse, talvez fosse aceito como profeta, pois o que vemos hoje, bem como ele percebeu em sua época (1844-1900), foi a constatação da degradação moral e ética de um mundo sem Deus.

A situação presente em nossos dias é a de que o cristianismo se transformou para muitos em uma religião, ou seja, um valor de vida a ser compartilhado com outras pessoas e até mesmo com a família. Como esta visão é puramente cultural, então o social, físico e psicológico são pautados pela Bíblia e suas escritas. Porém, o Cristianismo não se trata de uma religião, pois uma religião está em busca de levar seus adeptos a se religarem a Deus diretamente, entretanto, o Cristianismo é a ligação de Deus com o homem através de Jesus Cristo.

Em muitos países ditos cristãos, o Cristianismo foi minimizado ao status de religião devido a muitos pregadores que ensinam “viver o aqui e o agora”. Desta forma, esses que se intitulam pastores, estão cada vez mais destruindo o verdadeiro Evangelho e Cristianismo. A contaminação da igreja pelo paganismo anuncia uma vida de prostração para o egoísmo e idolatria aos bens, o que no rumo oposto, Jesus Cristo anunciou a humildade e renúncia de vida extravagante e riquezas deste mundo. A extravagância anunciada por Cristo foi um viver para a morte do “eu”, ou seja, ser extravagante o bastante para entregar a vida e interesses para Cristo. A vida de vaidades dos pregadores ditos pastores e seus ensinos superficiais, aliançam as ovelhas de Cristo com as vaidades deste mundo, e desta forma, invalidam as Escrituras e o Deus Santo que rejeita todas as imundícies ensinadas.

A constatação da situação é a seguinte: O Deus que foi anunciado pelos profetas, apóstolos e pais da Igreja, acabou tornando-se hoje o deus do Huguinho, Zezinho e Luizinho. Um deus que existe para atender aos pedidos daqueles que pedem em oração. Desta forma, o Deus que é irado com pecado, hoje é tolerante com o pecado e com pedidos descabidos. Deus foi rotulado e deixado em uma caixinha. Hoje, para muitos, Deus é seu supridor pessoal.

O Cristianismo se tornou em uma religião institucionalizada sem busca por relacionamento pessoal com o Deus bíblico, pois o viver em relacionamento com o Deus verdadeiro significa renunciar a própria vida, renunciar os sonhos pessoais e não ser mais tolerante com os pecados que são disseminados diariamente em todo mundo. Renunciar a própria vida se tornou algo do passado, ou, se muito, algo escrito somente nas Escrituras Sagradas. A prática do viver intensamente a vida é ensinada e incentivada por muitas religiões.

Como disseminar o evangelho de Jesus Cristo para os povos? Como os povos veem Jesus Cristo? Ele é mítico?

Jesus Cristo é muito mais do que uma constatação histórica, Ele é o autor e consumador da vida. Ele ensinou a mansidão e simplicidade. Ensinou o repartir e não o reter. O Evangelho de Jesus Cristo é dos pobres de espírito, e não dos fortes e destemidos; é daqueles que sofrem perseguição e não daqueles que perseguem. Jesus Cristo é achado pelos mansos, humildes e quebrantados.

Jesus Cristo não ensinou o orgulho, a arrogância ou astúcia, pois essas coisas se contrapõem a Ele e aos Seus ensinamentos. No entanto, o que é visto hoje em dia? Milhares que se dizem cristãos e são arrogantes, orgulhosos e egoístas. Estes podem dizer-se cristãos? A grande massa de “cristãos devotos” é capitalista e hipócrita, mantendo-se como “cristãos”, mas negando os fundamentos da fé cristã bíblica.

Deus está vivo ou está morto?

Bem, o que se pode perceber é que muitos vivem suas vidas como se Deus fosse um ser mítico, alguém irreal; portanto, vivem como se Deus não pudesse ver o que estão fazendo, ou, até mesmo julgar seus atos hediondos e maléficos. Vivem como se não fosse haver um duro julgamento por seus atos, falas e modo de viver pecaminoso. Por não acreditarem, não buscam se consertar, são irreconciliáveis, mentem cada vez mais e atraem para si a ira de um Deus que é Santo e Justo. A religião para estes é necessária para buscarem uma paz de espírito e sentirem-se “salvos”, pois assim afugenta-se o medo e a insegurança do pós-morte. Com isso, Deus para estes está morto, bem como disse Nietzsche.

Nietzsche ou qualquer outro pensador intelectual, não é o responsável por disseminar um Deus irreal ou um Jesus desnecessário; os responsáveis são os cristãos modernos. Os judeus crucificaram Jesus Cristo por Ele ter trazido a verdade espiritual aos líderes judeus  e mostrar o que era necessário para ter a vida eterna. Outrossim, hoje, além de o povo desconhecer as verdades ocultadas pelos “pastores”, “bispos”, “apóstolos”, dentre outros poderosos do meio conhecido como evangélico, também deseja este tipo de liderança falsa e corrupta.

Deus não é uma religião e não pode ser encontrado em uma. Ele não pode ser dissecado e meticulosamente estudado. O Senhor é um Pai que ama e perdoa; é um Deus Santo. O mundo e a igreja estão cheios de cobiça e avareza. Já não existe diferença ou separação de ideologias. As práticas de vida achadas no mundo são vistas dentro da igreja de forma oculta nos “cristãos”, ou seja, em seus corações. A igreja que deveria refletir a vontade de Deus para mundo, hoje, ao contrário, rejeita a santidade de Deus e reflete a própria vontade do mundo capitalista e egoísta. Houve um momento na história de Israel e Judá que já não os diferenciavam dos outros povos, pois seu coração era tão incircunciso como o dos outros povos.


Ele mesmo é o Deus vivo e o Rei Eterno (Jr 10.10)! Nietzsche estava enganado! O Senhor está vivo e se mostra apenas para aqueles que não se gloriam em si mesmos; não se gloriam em suas forças; não se gloriam em suas riquezas. O Deus vivo deseja ter um relacionamento com pessoas verdadeiras e que estão dispostas e renunciarem a glória deste mundo passageiro para obterem a glória eterna que está somente em Jesus Cristo.

Aislan Vilalba

Nenhum comentário:

Postar um comentário